365 Algarve

Every day counts

De 10 de abril de 2018 a 05 de maio de 2018 . Faro

“Refúgio e Segregação”

Elisabete Maisão

Esta exposição faz parte da: 4ª Edição Festival "encontros do DeVIR"

O movimento migratório de pessoas fugindo dos seus próprios países acontece há milhares de anos. A crise dos refugiados na Europa tornou-se numa das maiores na história da humanidade. A fotógrafa Elisabete Maisão percorreu campos de refugiados na Europa, no Médio Oriente, recentemente esteve em Roraima, na fronteira entre o Brasil e a Venezuela. Nas suas visitas de trabalho como fotógrafa faz voluntariado e ensina fotografia a crianças (projeto HOPEN). Em todos estes lugares ouviu histórias de pessoas, de famílias que foram forçadas a deixar os seus países e a iniciar uma viagem sem destino, confrontando-se com uma Europa de portas fechadas. Em Calais, seis mil refugiados tentaram atravessar o canal da mancha para chegar a Inglaterra. Na Grécia, milhares de refugiados morreram e ainda morrem na travessia da Turquia para Lesbos, o campo de Idomeni, hoje desmantelado, chegou a acolher dezoito mil pessoas. Os campos militares para onde foram encaminhados forçadamente, ainda acolhem milhares de refugiados. No Líbano, muitas são as famílias que esperam que a guerra na Síria acabe, para voltar para casa e reconstruir as suas vidas. Actualmente, do outro lado do Atlântico, com a crise na Venezuela são muitos os refugiados que chegam ao estado de Roraima, na fronteira com o Brasil. Nas cidades de Boa Vista e Pacaraima, as vidas dos habitantes ganharam novas formas, os lugares onde vivem transformaram-se em cidades refúgio. A fronteira entre a Venezuela e o Brasil está aberta. A maioria dos refugiados que mudam de país são da etnia Warau. Por serem indígenas sofrem mais problemas de integração e aceitação. Como possuem poucos recursos económico a sua subsistência está dependente da ajuda exterior. Neste movimento migratório há refugiados indígenas e não indígenas, no entanto não se misturam. Há histórias de racismo, de muita dificuldade de integração, de segregação num sistema desde logo descriminado. Em todos estes lugares, as pessoas vivem num limbo, à espera de soluções exteriores que as ajudem a encontrar soluções de integração para as suas vidas. Não faltam histórias positivas de partilha, em espaços de grande diversidade onde se vive um forte sentido comunitário. Destas experiências, destes olhares, nasce esta exposição fotográfica que nos leva a pensar nas dificuldades enfrentadas por aqueles que se veem forçados a distanciar-se das suas raízes, a viver numa nova realidade.

Eventos relacionados

 
Logo 365Algarve

Subscreva a nossa newsletter para receber os eventos do 365Algarve .

 
Fechar Newsletter